Brasil terá nova revolução verde

Publicado em 24 de julho de 2018

Comentário(s)

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, disse no dia 23 de julho, no Global Agribusiness Forum (GAF 2018), em São Paulo, que o país terá uma nova “revolução verde”, que dará ao produtor rural novas ferramentas, a partir da conectividade no campo, para transformar o Brasil em um país ainda mais eficiente e sustentável na produção. 

Em seu discurso, Martins afirmou que é preciso ter uma nova conceituação sobre a produção agropecuária brasileira, pois o produtor rural é, acima de tudo, um empresário rural. E as novas tecnologias vão tornar o Brasil um protagonista no processo produtivo.

“Acabou aquela mentalidade do passado em que o produtor não utilizava tecnologia. Nós passamos a utilizar tecnologia de ponta. Então, o que vai acontecer nos próximos anos? Nós vamos ter outra revolução na qual o Brasil vai ser não mais coadjuvante, mas participante ativo nessa próxima revolução verde”. 

O presidente da CNA disse que a nova revolução verde não passa apenas por novos equipamentos, mas por novas tecnologias como as de informática, que exigirão cada vez mais capacitação de produtores e trabalhadores no campo para o seu manuseio, além da conectividade no meio rural. Este desafio, ressaltou, será tão importante quanto o da infraestrutura para o escoamento da produção.

“O mundo está esperando nos próximos anos que o Brasil detenha a maior fatia de fornecimento de alimento do mundo. Nós só teremos isso se capacitarmos os nossos produtores e nossos trabalhadores cada dia mais com novas tecnologias. E também se tivermos uma infraestrutura de escoamento mais eficiente”.

Neste contexto, alertou o presidente da CNA, será necessário inovar cada vez mais na agropecuária. E as tecnologias baseadas no acesso ao processamento da informação serão essenciais não apenas para o Brasil cumprir sua função social, como também para assegurar à população alimentos de qualidade, a preços mais acessíveis e continuar competitivo no comércio internacional.

João Martins disse, ainda, que o governo precisa entender as limitações do produtor rural, que tem carregado o peso de sustentar a economia do país. “Nossas limitações vão até onde começam as obrigações do governo. O governo precisa entender que o produtor está fazendo sua parte”. 

O presidente da CNA afirmou, também, que a sociedade precisa conhecer o papel da produção agropecuária brasileira e, assim, fez um apelo às entidades de classe para que façam “um mutirão” para levar esse conhecimento a toda a população.

“No mundo em que vivemos hoje, a única certeza é a mudança. Nós vamos fazer a nossa parte e, com certeza, vamos ter a nossa responsabilidade de fazer com que o mundo tenha cada vez mais alimento bom e a preço acessível”.

João Martins foi um dos palestrantes painel “Alimentação/fome: é possível acabar com a fome no mundo?”. O GAF 2018 ocorre hoje e amanhã, na capital paulista, e reúne autoridades e especialistas brasileiros e estrangeiros para debater os desafios e tendências do agronegócio e os desafios ligados ao desenvolvimento socioeconômico e à preservação do meio ambiente. 

O evento é realizado pela Sociedade Rural Brasileira (SRB).       

Fonte: Avicultura Industrial




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC