Leite: captação cai pelo 3º mês e preço ao produtor sobe 7,7%

Publicado em 04 de maio de 2018

Comentário(s)

A captação de leite no campo seguiu em queda pelo terceiro mês seguido e o preço recebido em abril registrou a terceira alta consecutiva. A “Média Brasil” líquida (inclui BA, GO, MG, SP, PR, SC e RS) fechou a R$ 1,1574/litro, aumento de 7,72% (ou de 8 centavos/l) em relação ao mês anterior, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.

Esta é a maior média dos últimos oito meses, em termos reais (deflação pelo IPCA de março/18), sendo 10,3% inferior à de abril de 2017 e próxima da observada em abril de 2016. No acumulado deste ano, a valorização do leite ao produtor chega a quase 15% na “Média Brasil”.

Todos os estados acompanhados pelo Cepea apresentaram alta nas cotações, com destaque para o Rio Grande do Sul (onde a elevação foi de 10,1%), Goiás (9,7%), Paraná (9%) e Minas Gerais (7,6%). A considerável recuperação dos preços no campo neste mês esteve atrelada à maior competição entre empresas em função da redução da oferta de leite no campo.

O Índice de Captação de Leite (ICAP-L) registrou a terceira queda consecutiva em março, recuando expressivos 7,2% frente a fevereiro na “Média Brasil”. Rio Grande do Sul, Paraná e Goiás apresentaram quedas acima da “média Brasil”, de 9%, 8,4% e 8,3%, respectivamente. Na sequência, ficaram Bahia, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais, com 7%, 6,9%, 6% e 5,9%. Nos primeiros quatro meses do ano, o ICAP-L já caiu 10,1%.

Ao contrário do observado em 2017, o primeiro trimestre de 2018 foi caracterizado pela oferta mais enxuta, impactada, principalmente, pela descapitalização de produtores. Os baixos preços recebidos no ano passado desestimularam a atividade e reduziram os investimentos. Muitos produtores saíram da atividade e o abate de vacas aumentou. Para os próximos meses, os menores volumes de chuvas, as temperaturas mais amenas e a menor qualidade das pastagens devem se intensificar, diminuindo ainda mais a oferta no campo.

A elevação do preço ao produtor também ocorreu como reflexo da valorização dos lácteos nos últimos meses. O acompanhamento das negociações do leite UHT (longa vida), principal lácteo negociado no País, evidencia isso. Segundo pesquisa diária do Cepea em parceria com a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), a média de abril (até o dia 27) do UHT negociado entre indústrias e atacado do estado de São Paulo foi 4,4% maior que a de março, chegando a R$ 2,40/litro.

De acordo com agentes de mercado, a demanda ainda está se recuperando, mas, em comparação com os últimos seis meses, está mais firme. Vale ressaltar, contudo, que o movimento altista vem perdendo força no mercado do UHT desde a segunda quinzena de abril. Nesse período, as empresas relataram maior necessidade em realizar promoções para garantir liquidez, de modo que, em abril, houve queda de 1,8%.

Fonte: Cepea




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC