Erradicação da Brucelose e Tuberculose será o próximo diferencial competitivo de SC

Publicado em 25 de maio de 2018

Comentário(s)

Único estado do país livre de febre aftosa sem vacinação, Santa Catarina já se prepara para seu próximo desafio: erradicar a brucelose e a tuberculose do seu rebanho bovino. Governo do Estado, iniciativa privada e produtores rurais estão focados em fazer da sanidade animal a marca registrada de Santa Catarina e um grande diferencial na busca e manutenção de mercados internacionais.

Hoje, Santa Catarina já tem a menor taxa de prevalência de brucelose e tuberculose do Brasil. O último levantamento feito pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) constatou que 0,9% do rebanho catarinense têm brucelose e 0,5% do rebanho têm tuberculose. Este índice é tão baixo que Santa Catarina é o estado brasileiro que está mais perto de erradicar as doenças.

De acordo com o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, o controle da brucelose e da tuberculose será o próximo diferencial competitivo de Santa Catarina. “Em breve todo país também será livre de febre aftosa sem vacinação e nós já estamos pensando em qual será o nosso grande diferencial. Santa Catarina se prepara para ser conhecido como referência em bem estar animal, controle de brucelose e tuberculose e desempenho ambiental. São esses fatores que irão garantir a competitividade do nosso agronegócio”, ressalta.

O controle das duas doenças vem ao encontro também do pensamento da Organização Mundial de Saúde Animal, que acredita no conceito de “uma saúde”. “Não podemos mais separar a saúde humana da saúde animal. Por isso a ideia de uma saúde, onde a sanidade animal interfere diretamente na saúde humana”, explica Spies.

Programa de Controle da Brucelose

No dia 21 de maio, representantes da Secretaria da Agricultura, Cidasc, Icasa, Sindileite e FAESC estiveram juntos para pensar em melhorias no Programa de Controle da Brucelose e Tuberculose de Santa Catarina.

Entre as sugestões do setor produtivo está a vigilância da brucelose através de analises em leite e também a vigilância nos animais que irão para o abate, para inserir os animais de corte no processo.  “Os produtores rurais entendem que isso trará ganhos para a produção. E se nós queremos exportar leite e carne bovina, nós vamos esbarrar na questão de sanidade animal”, destaca o presidente do Sindileire, Valter Antônio Brandalise.

Brucelose e Tuberculose em Santa Catarina

Santa Catarina possui um rebanho de aproximadamente 4,4 milhões de bovinos, distribuídos em 220 mil propriedades, e a incidência de brucelose e de tuberculose não chega a 1% desses animais. Todos os anos são realizados em média 150 mil exames para analisar a presença das zoonoses no rebanho catarinense. O estado conta ainda com 330 propriedades classificadas como livres de brucelose e de tuberculose.

Indenizações

Para manter a sanidade dos rebanhos catarinenses, os animais acometidos de brucelose ou tuberculose são abatidos sanitariamente e os proprietários indenizados pela Secretaria da Agricultura, através do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa).  Com a indenização, os produtores podem adquirir animais sadios para continuarem a produção de carne e leite.

Vacinação

O uso da vacinação em massa, com a vacina B19, é recomendado apenas para estados que possuem altos índices da doença, portanto é proibida em Santa Catarina para evitar custos desnecessários aos produtores e interferência nos testes de diagnóstico. O rebanho catarinense pode ser vacinado com amostra RB51, seguindo as normas do Regulamento Técnico do Programa de Erradicação da Brucelose Bovina e Bubalina no Estado de Santa Catarina, atualizado em julho de 2017 pela Portaria SAR n°19/2017.

Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC