Pirataria de sementes em Canoinhas preocupa

Publicado em 09 de abril de 2018

Comentário(s)

Para os agricultores que usam sementes ilegais, a consequência é a perda de receita pela baixa produtividade.

A taxa de utilização de semente legal de soja no estado de Santa Catarina é de 70%, de acordo com a APROSESC (Associação dos Produtores de Sementes e Mudas do Estado de Santa Catarina). Entretanto, na região de Canoinhas, este número baixa para cerca de 30%, o que preocupa a instituição.

Por esse motivo, a região é um dos principais focos da campanha “A Força do Campo Nasce da Semente”. Lançada pela APROSESC, a campanha tem como objetivo conscientizar sobre os riscos do uso de semente ilegal, conhecida como pirata, valorizando a qualidade do insumo que passa pelo processo de certificação.

O engenheiro agrônomo Valmir Pavesi, secretário executivo da APROSESC, entende que a prática é corroborada por um viés cultural da região. Muitos agricultores, diante de uma lavoura com bom aspecto visual, guardam sementes e vendem para os vizinhos, partindo do pressuposto de que a próxima geração irá reproduzir os caracteres da então safra. “Entretanto, o agricultor que opta por essa prática perde em sanidade, está sujeito a misturas de campo decorrentes do manejo inadequado, já que estes grãos são armazenados sem qualquer critério e classificação”, alerta Pavesi. “Quem compra semente ilegal está comprando grão, e levando para sua lavoura uma série de problemas, como doenças e danos mecânicos causados pelo manuseio deficitário”, informa o engenheiro agrônomo. “O agricultor que usa semente pirata só tem a perder”, conclui.

A economia da região também é afetada pela prática, já que com a pirataria não há recolhimento de impostos. De acordo com o secretário executivo da APROSESC, os produtores de sementes da região sentem-se desprestigiados, pois seus esforços para produzir insumos de qualidade enfrenta a concorrência desleal da pirataria. Para os agricultores que usam sementes ilegais, a consequência é a perda de receita pela baixa produtividade. O resultado é menos dinheiro circulando no local.

A APROSESC é uma associação que congrega 28 produtores de sementes de Santa Catarina, onde o caráter ético e a conduta dentro dos padrões e normas de produção são respeitados. Por isso, os insumos produzidos pelas empresas e cooperativas associadas têm origem, responsáveis técnicos, registro junto a órgãos públicos e passam por critérios de análises que garantem sua qualidade.

Fonte: Aprosesc




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC