Infraestrutura de conexão ainda é barreira para a modernização da agricultura no Brasil

Publicado em 26 de abril de 2018

Comentário(s)

Uma das verticais apontadas como prioridade para o Plano Nacional de Internet das Coisas no estudo da McKinsey com o BNDES e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a agricultura de precisão é notadamente beneficiada com a nova tecnologia, mas ainda falta o básico para isso: conexão. A pesquisadora, fundadora e CEO da Agrosmart, Mariana Vasconcelos, alerta para a questão, citando a falta de sinal não apenas nas casas/fazendas, mas também nas próprias plantações.

"Apenas 14% das lavouras no Brasil têm conectividade, e não é só aqui – 40% dos agricultores nos Estados Unidos não têm conectividade em toda a fazenda", declarou ela em apresentação durante o evento SingularityU Brasil Summit no dia 24 de abril, em São Paulo. Ela afirma que o mercado tem agido. "O que temos visto é a iniciativa privada investindo em infraestrutura, construindo conectividade com 4G, ou mesmo Sigfox e LoRa", diz.

Além da questão da conectividade, ela explica que a educação digital é importante para o setor. Com isso, o agricultor poderá não apenas ter acesso aos dados coletados pelos sensores, mas também fazer um uso prático dessas informações para melhorar a produtividade. "A gente vê um gap muito grande do que existe de tecnologia com sensores e o quê o agricultor consegue usar, mas (a inclusão) está crescendo de maneira rápida", declara Vasconcelos. "Não basta investir em tecnologia, temos que investir em educação e integração."

Ainda que a previsão seja de que a agroindústria brasileira consiga expandir até 2030 para ser responsável pela produção de um terço dos alimentos no mundo, o desafio é grande. Para conseguir alimentar 9 bilhões de pessoas até 2050, a produtividade precisa aumentar em 70%. Os investimentos em tecnologia, contudo, poderão representar 90% desse aumento. "A lição que fica é que os dados estão aí. Não é o futuro da agricultura, já está aí, agora", afirma Mariana Vasconcelos.

Conectividade no espaço

Além da IoT, outra ferramenta para ajudar na agricultura pode ser o satélite. Com base em uma tecnologia de espectroscopia, a Hypercubes planeja entregar mais informações sobre a produção com base em uma rede satelital de baixo custo e com uma centena de satélites em órbita para escanear o planeta várias vezes todos os dias. Porém, a previsão do fundador da empresa, Fábio Teixeira, é que isso resulte em uma coleta de 100 TB por órbita, sendo que os artefatos circulam a Terra a cada 90 minutos. Sem uma conectividade disponível no espaço, isso traz seus desafios. "No espaço, não temos banda larga, a conexão média é de 8 a 10 Mbps, não existe condição desse pipeline fazer download desse tipo de informação. Todo o espectro de radiofrequência está praticamente tomado, tem apenas alguns slots, mas conseguir uma licença custa milhões de dólares", conta. Para resolver essa deficiência, a solução encontrada é levar o processamento para essa ponta. Os nanossatélites terão processadores com alto poder computacional para processar os dados em órbita.

Ainda neste ano, a Hypercubes planeja colocar a carga útil em testes na Estação Internacional Espacial. "Se formos bem nos testes, os próximos serão em modelos gerados por computador, com machine learning", afirma Teixeira. A empresa deverá contar com parceria com a Virgin Orbit para enviar os satélites ao espaço em foguetes lançados a partir de aviões 747, o que ele afirma que deixa o custo da operação mais barato.

Na fase atual, a empresa escolhe entre três países – Austrália, Ruanda e Brasil – para realizar o primeiro piloto. Assim que validar a solução, deverá lançar o primeiro satélite até o final de 2019.

Fonte: Teletime

 




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC