Agro favorece crescimento do PIB e ajuda no controle da inflação

Publicado em 07 de marÇo de 2018

Comentário(s)

O crescimento do PIB-volume do agronegócio está estimado em 7,2% para 2017, considerando-se informações disponíveis até novembro/17, segundo indica pesquisa do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Novamente, o ramo agrícola é que deu impulso para esse resultado, visto que deve registrar aumento de 9,3% em 2017. Para o ramo pecuário, a estimativa é de crescimento de 2,4%.

O desempenho excepcional da produção agrícola atrelou-se principalmente à boa produtividade, que, por sua vez, foi resultado de importantes investimentos em tecnologia aplicados no campo por esse setor e pelo clima favorável.

Ainda que a participação da agropecuária na economia como um todo seja relativamente baixa (5% em 2017), pesquisadores do Cepea destacam que o resultado positivo desse setor foi o grande responsável pelo crescimento do PIB nacional no ano, que, consideradas informações recentemente divulgadas pelo IBGE, cresceu 1% em 2017. Especificamente, 79% do crescimento de valor adicionado na economia decorreu do desempenho da agropecuária. Destaca-se, ainda, o papel da agroindústria, que cresceu 2,4% e contribuiu para o desempenho agregado positivo da indústria de transformação brasileira.

Apesar do expressivo crescimento em volume, 2017 foi marcado por fortes quedas de preços dos produtos do agronegócio. Por isso, a renda do setor segue pressionada por esse movimento de preços desfavorável. Na comparação de janeiro a novembro de 2017 com o mesmo período de 2016, os preços do agronegócio apresentaram decréscimo relativo de 10,8% em relação aos da economia como um todo.

Controle da inflação

 Enquanto o movimento de queda dos preços relativos do agronegócio expressa a perda de rentabilidade da produção do setor frente à média da economia, destaca-se seu impacto positivo sobre a economia e a sociedade como um todo. Produzindo mais a menores preços, o setor contribuiu com um maior abastecimento, com a geração de divisas e com o controle da inflação.

A inflação em baixo patamar, por sua vez, foi muito importante para garantir o bem-estar principalmente de uma parcela de mais baixa renda da população e também para permitir a queda observada na taxa de juros. No início do ano, a taxa Selic estava em 13% a.a. e, no final de 2017, caiu para 7% a.a., diminuição de expressivos 5 pontos percentuais. O IPCA acumulado chegou a 2,95% em 2017, menor acumulado anual desde 1998.

Fonte: Cepea




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC