Dinheiro público financia apenas 31% da safra brasileira 

Publicado em 06 de fevereiro de 2018

Comentário(s)

Apenas 31% da produção brasileira é financiada através de políticas públicas, afirma o presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Mário Schreiner. “Os outros 69% simplesmente não recebem nada. Nós temos que buscar fazer com que elas políticas públicas alcancem todos”, defende. 

Para complicar, o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) sofre restrição orçamentária e terá que devolver dinheiro para o Tesouro Nacional. Isso significa que vai faltar verba para investimento na construção de armazéns.

“O contingenciamento que nós sofremos, por vezes, nas linhas de crédito disponíveis ao agronegócio, em tese, é decorrente da dificuldade do governo em cumprir a sua meta de equilíbrio fiscal, que aliás, no caso, ainda é um desequilíbrio”, afirma o presidente do banco, Paulo Rabello de Castro.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, explica que o país enfrenta dificuldades econômicas, que traz sérias consequências para a agropecuária, especialmente no Plano Safra. Ele diz, também, que é preciso pensar em alternativas para ampliar a cobertura do seguro rural sem apoio do governo. “Acredito muito que essa é uma alternativa e, no dia em que a gente conseguir fechar, vamos ter um credito rural muito mais barato, porque vamos sair da dependência total do governo e vamos pra iniciativa privada, que vai botar dinheiro em uma atividade que não tem tanto risco ou um risco tão alto como é atualmente”, explica Maggi.

O setor agropecuária estuda, junto aos bancos privados, formas para aumentar a participação deles na concessão de crédito agrícola e seguro rural, trazendo alternativas para o produtor rural.

Enquanto isso, a agropecuária está aquecida. “O agronegócio continua demandando investimentos. Notícia boa para o Brasil e para os brasileiros, mas a indústria está cedendo espaço dentro da carteira do banco”.

Seguro rural

João Martins, presidente da CNA, afirma que é uma divergência entre o pensamento do governo e a real preocupação do setor. “Quando a gente fala no seguro, o governo acha que estamos olhando o seguro para cobrir financiamento, e não é só isso. Queremos o seguro para que cobrir também a perspectiva de renda do produtor”, diz.

Segundo o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, o setor precisa ter “alguns calços”, sendo um deles a subvenção do prêmio do seguro. “Nós queremos que o governo nos ajude a pagar parte do prêmio para que o seguro se popularize”, esclarece.

Fonte: Canal Rural




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC