O desafio da biodiversidade na agricultura

Publicado em 11 de dezembro de 2017

Comentário(s)

Dos cerca de US$ 63 bilhões exportados em alimentos pelo Brasil em 2016, 94% foram tomados por apenas cinco grupos de produtos: soja, carnes, açúcar, café e milho

Conforme estudos da Embrapa, o desequilíbrio provocado pela monocultura (plantio de uma única cultura) desencadeia problemas de doenças, pragas e plantas daninhas sem controle. A falta de rotação de culturas causa o desbalanceamento das condições físicas, químicas e biológicas do solo, levando à perda de produtividade.

A fome e a má nutrição continuam figurando entre as maiores preocupações da modernidade. Por um lado, segundo a Cruz Vermelha, o mundo conta com 1,5 bilhão de pessoas obesas e, por outro lado, são 815 milhões de desnutridos - de acordo com a Organização Mundial de Saúde. As interrupções no fornecimento de alimentos afetam a saúde das populações e causam tensões políticas e sociais. A segurança alimentar é um dos maiores desafios dos países populosos e de menor renda, principalmente na Ásia e na África.

O livre mercado permite a esses países abrir mão de autossuficiência na produção de alimentos. Além disso, quanto mais aberta é economia, mais os consumidores têm possibilidade de ter alimentos por preço acessível, variados e de melhor qualidade. Entretanto, o problema é maior do que parece.

O pesquisador e alto funcionário do governo chinês Cheng Guoqiang definiu bem o desafio: “a segurança alimentar num país populoso vai muito além de uma simples questão econômica e comercial. A queda de um ponto percentual na produção chinesa de grãos significa uma importação adicional de quase 5 milhões de toneladas ou 2,5% do volume total do comércio mundial de grãos.”

Os fatores que mais influenciam a produção de alimentos são a disponibilidade de terras e de água, o clima, a produtividade e a tecnologia. Esses fatores estão ligados diretamente à biodiversidade na produção de alimentos, um dos fundamentos do sistema moderno de alimentação e nutrição.

Conforme o estudo da organização internacional de pesquisa Biodiversity International, a produção moderna de frutas e vegetais só atende 78% das necessidades nutricionais da população mundial.

Ao mesmo tempo, das 30 mil variedades de plantas que poderiam ser usadas para a alimentação, a agricultura mundial usa apenas três culturas – trigo, arroz e milho – para fornecer 50% das calorias derivadas de plantas consumidas pelas pessoas ao redor do mundo. As culturas mais comuns produzidas somam somente 2% do material genético armazenado nos bancos de germoplasma.

Os pesquisadores afirmam que a dependência de uma pequena quantidade de espécies de plantas cria o risco de interrupção no fornecimento, por conta das secas, do aumento de temperatura e da imprevisibilidade do clima.

Conforme estudos da Embrapa, o desequilíbrio provocado pela monocultura (plantio de uma única cultura) desencadeia problemas de doenças, pragas e plantas daninhas sem controle. A falta de rotação de culturas causa o desbalanceamento das condições físicas, químicas e biológicas do solo, levando à perda de produtividade.

Esses fatores podem levar às interrupções no fornecimento de alimentos. Com o objetivo de medir a agrobiodiversidade em três dimensões: a dieta populacional, a produção de alimentos e os recursos genéticos, a Comissão Europeia contratou a Biodiversity International para desenvolver um índice específico – Agrobiodiversity Index.

O índice será lançado em meados de 2018 e orientará os governos, os investidores e as empresas na tomada de decisões e investimentos para garantir que os sistemas de produção de alimentos sejam mais diversificados e sustentáveis. Os especialistas da Comissão Europeia acreditam que a biodiversidade agrícola poderá ser incentivada por novos instrumentos do mercado de capitais.

Aqui no Brasil, falamos muito sobre a diversificação das exportações. No caso do agronegócio, essa tarefa é diretamente ligada à biodiversidade agrícola.

O Brasil é o segundo maior exportador de alimentos do mundo. Ocupamos a primeira posição no fornecimento de açúcar, café, soja, suco de laranja e carne de frango; a segunda posição no de milho; a terceira no de carne bovina; e a quarta no de carne suína.

Em alguns produtos, participamos com uma parcela muito grande do mercado global: fornecemos 48% do açúcar mundial, 42% da soja, 36% da carne de frango, 25% do café e 18% da carne bovina.

Entretanto, a nossa pauta exportadora é concentrada em poucos produtos. Dos cerca de US$ 63 bilhões exportados em alimentos pelo Brasil em 2016, 94% foram tomados por apenas cinco grupos de produtos: soja, carnes, açúcar, café e milho. Todos commodities. Para comparar, a exportação de frutas representou apenas 1% do total.

A diversificação da produção e da exportação é importante para mitigar os riscos climáticos, evitar o uso excessivo de defensivos agrícolas por conta de doenças e pragas e fazer melhoramento genético, evitando o estreitamento de base genética das culturas produzidas.

A Embrapa é líder nas tecnologias agrícolas sustentáveis de cultivo, na genética e melhoramento de plantas e animais, e no desenvolvimento de variedades de culturas resistentes à seca e a outras mudanças climáticas, às pragas e às doenças. Temos essa enorme vantagem perante nossos concorrentes.

Além disso, o Brasil conta com quase 20% da flora mundial, o que abre um espaço muito grande para introdução de novos cultivares e para o desenvolvimento de biotecnologia na produção de alimentos e de bioenergia.

Uma das novas fronteiras está sendo aberta com a ajuda da Embrapa. É o plantio de leguminosas de grãos secos – feijão-caupi, feijão-mungo, grão-de-bico, lentilha, entre outros – as chamadas pulses. O volume do comércio mundial dessas leguminosas hoje é de 12 milhões de toneladas e deve aumentar 23% até 2030, conforme estimativas do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Políticas Alimentares - IFPRI.

A Embrapa aponta que o feijão-caupi tem um ciclo mais curto de plantio, é mais tolerante à seca e tem custo da produção mais baixo do que outras culturas. Ele está sendo plantado no Mato Grosso como cultura de segunda safra em áreas onde não é possível semear o milho dentro da janela de plantio. A próxima cultura a ser plantada nos estados do Piauí e de Mato Grosso com a tecnologia da Embrapa será o feijão mungo verde, que pode ser consumido na forma de broto de feijão ou em grãos.

Essas e outras novas culturas serão essenciais para agregar valor na produção de alimentos, mitigar os riscos e abrir novos mercados. A Comissão Europeia está certa. A biodiversidade na agricultura precisa ser medida e levada em consideração por governos e pela iniciativa privada. É um risco que poderá ser convertido em grandes oportunidades.

Por Tatiana Palermo foi Secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2015-2016).

Gazeta do Povo




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC