Mão de obra digital: como os robôs estão a serviço do agronegócio

Publicado em 02 de outubro de 2017

Comentário(s)

Embora ainda incipiente na agropecuária brasileira, a robótica ganhará espaço nos próximos anos, substituindo a mão de obra nas atividades. Esse mercado deve movimentar US$ 23,1 bilhões em três anos até 2019, segundo projeção da International Federation of Robotics (IFR).  Dos 333 mil robôs de serviços vendidos no mundo, entre 2016 e 2019, 35 mil estarão no campo. 

Com parte dos sistemas já robóticos, como piloto automático, sensoriamento remoto e drones, o campo brasileiro verá a presença de robôs de serviço aumentar nos próximos anos. Os equipamentos substituirão uma parcela da mão de obra na agropecuária – tornando a atividade mais padronizada e produtiva.

Na Digital Agro, feira inédita voltada ao setor, realizada em Carambeí (PR), soluções tecnológicas deram uma mostra de como o agronegócio será praticado no futuro. "O processo virá naturalmente com o tempo", prevê Rafael Vieira de Souza, professor do departamento de Engenharia de Biossistemas da Universidade de São Paulo (USP).

Muitas das tecnologias já embarcadas em máquinas, como aplicação a taxa variável e mapas de produtividade, farão parte de robôs agrícolas. "A realidade da robótica está acontecendo no campo, com aumento do uso da automação", exemplifica o professor.

Diferentemente da tecnologia industrial, difundida em linhas de montagem de grandes empresas, os equipamentos usados no campo são considerados robôs de serviço e de uso profissional. Esse mercado deve movimentar US$ 23,1 bilhões em três anos até 2019, segundo projeção da International Federation of Robotics (IFR).  Dos 333 mil robôs de serviços vendidos no mundo, entre 2016 e 2019, 35 mil estarão no campo. 

Os casos mais concretos da presença da robótica no Brasil estão na produção leiteira, em casas de vegetação (estufas) e no uso de drones. Fabricante sueca de sistemas de ordenha robotizada, a Delaval tem 35 equipamentos instalados no Brasil – dos quais 16 no Rio Grande do Sul. Cada módulo, com custo médio de R$ 500 mil, comporta até 70 vacas – que são induzidas à ordenha de forma voluntária. Instalado dentro da estrutura onde os animais são criados, o equipamento controla toda a produção – desde a alimentação, qualidade do leite, refrigeração e gerenciamento do rebanho.

"A tecnologia livra o produtor das atividades repetitivas da ordenha, além de melhorar o controle do rebanho e a saúde animal", diz Rafael Martins Garcia, gerente de sistemas de ordenha robotizada da Delaval.

Na Holanda, compara Garcia, cerca de 60% das propriedades de leite usam ordenha robotizada. "Além de reduzir os custos diretos e indiretos com mão de obra, a tecnologia ajuda a manter as novas gerações na atividade".

Drones para controlar pragas e doenças

Com o crescente acesso aos drones, e a recente regulamentação do uso no país pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os veículos aéreos não tripulados tendem a se disseminar no campo em poucos anos. "Várias empresas não investiram até agora porque não tinham segurança jurídica. A partir de 2018, o uso desses equipamentos no campo vai explodir", aposta Daniel Bandeira, diretor financeiro da empresa SkyDrones, fabricante gaúcha de drones. 

Até agora, a maioria dos projetos são pilotos, em voos de mapeamento e monitoramento da produção. Nas lavouras, os equipamentos aéreos não tripulados são usados para controle de plantas daninhas, pragas e doenças. Com imagens de alta resolução, é possível identificar o ponto exato da deficiência a tempo de corrigi-la.

O próximo passo será o uso de modelos pulverizadores, capazes de fazer a aplicação em áreas pequenas e de difícil acesso por meio terrestre. O Pelicano, pulverizador desenvolvido pela SkyDrones e lançado em 2016, está em processo de validação. O preço varia de R$ 100 mil a R$ 150 mil. "O drone não será fim, mas meio. Ele entrará dentro da solução tecnológica para aumentar a eficiência da produção", diz o diretor financeiro da fabricante, que tem quase 90% do faturamento oriundo da agricultura.

Dentro do projeto Digital Farming, a multinacional Bayer passará a usar o Pelicano em lavouras experimentais. No ano passado, drones foram empregados em projeto piloto de monitoramento de percevejos. "O equipamento será um grande aliado na identificação precisa de pragas, doenças e plantas daninhas", completa Fausto Zanin, gerente da Bayer.

Influência holandesa e polo de tecnologia

A motivação para criar a Digital Agro, primeira feira brasileira voltada exclusivamente ao setor, realizada em 21 e 22 de setembro,  veio dos associados da Frísia, a antiga Batavo, cooperativa mais antiga do Paraná e a segunda mais antiga do Brasil. Com 850 associados, a cooperativa ganhou o novo nome em 2015, em menção à região da Holanda de onde vieram os imigrantes que colonizaram Carambeí (PR), sede da Frísia. A marca Batavo pertence hoje à francesa Lactalis, que mantém unidades de produção na cidade.

Zero Hora




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC