Barrar as importações vai aumentar o preço do leite pago ao produtor?

Publicado em 26 de outubro de 2017

Comentário(s)

A recente decisão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) de suspender temporariamente as importações de lácteos do Uruguai suscitou expectativas de melhorias para o mercado, principalmente no que diz respeito à recuperação dos preços do leite no campo. Mas barrar as importações uruguaias irá reverter a tendência de queda observada desde junho deste ano e elevar o preço do leite pago ao produtor? O problema ao responder essa questão é que ela implica relações de causa e efeito que não são diretas, o que torna a resposta mais complexa do que um simples “sim” ou um “não”. É preciso, portanto, trazer alguns dados à discussão. 
 
Apesar de ser o quinto maior produtor de leite do mundo, de acordo com o USDA, o Brasil é, tradicionalmente, importador de lácteos, principalmente de leites em pó. Nos últimos cinco anos (de setembro de 2013 a setembro de 2017), a balança comercial acumulou saldo negativo de US$ 1,26 bilhões. Enquanto as cotas de importação de leite em pó argentino limitam as compras a 3,6 mil toneladas ao mês, o mesmo não ocorre para o Uruguai. Desde 2015, as aquisições de leites em pó uruguaio têm se elevado significativamente e o país se tornou o principal fornecedor do produto ao Brasil, superando a então liderança argentina. De janeiro a setembro de 2017, foram importadas aproximadamente 86,5 mil t de leites em pó, sendo que 54,7% vieram do Uruguai e 36,9% da Argentina. No entanto, vale destacar que esse volume é 30,5% menor do que o registrado no mesmo período de 2016, por conta do enfraquecimento do consumo no mercado doméstico. Com isso, a participação das importações de lácteos sobre o total ofertado pelo País em 2017 deve ser menor do que os 5% registrados em 2016. 
 
A demanda enfraquecida por lácteos na ponta final da cadeia é, inclusive, o principal fator que vem afetando o preço do leite no campo e dos derivados. Devido à perda do poder de compra frente à retração econômica, o consumidor brasileiro diminuiu o consumo de itens menos essenciais à sua dieta, como é o caso da grande maioria dos lácteos (produtos considerados bens superiores e cuja demanda é elástica). Além disso, o aumento da produção neste ano também tem colaborado para a queda dos preços. Segundo o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-L), a captação mensal nos estados de Goiás, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul apresentou alta acumulada de 5,6% de janeiro a agosto. Na média, o ICAP-L está 7,1% maior do que no mesmo período do ano passado. A maior captação neste ano está atrelada às condições climáticas mais favoráveis neste ano e também ao maior acesso do pecuarista à ração, por conta da queda nos preços dos grãos.
 
A volatilidade dos preços do leite acentua um fato característico da cadeia láctea: estar voltada ao mercado interno – ao contrário de outras proteínas, como carnes e ovos, que utilizam o mercado externo como uma espécie de “esponja” para drenar o excesso de oferta e equilibrar os valores no mercado doméstico. 
 
Um estudo do Cepea, ainda em andamento, tem demonstrado, por meio de modelos econométricos, que a formação da cotação no mercado interno não é diretamente influenciada pelas compras externas. Assim, suspender as importações do Uruguai não deve impulsionar as cotações do leite no campo no curto prazo. No entanto, a ação do Ministério não deixa de ser importante, pois reforça que a pressão do setor foi eficiente para colocar o tema e a cadeia do leite, de forma mais ampla, em discussão. O fato de o Brasil importar lácteos pode não afetar diretamente o preço, mas impacta a dinâmica da cadeia, que precisa ser debatida.
 
As importações de leites em pó evidenciam um problema maior: os lácteos brasileiros não são tão competitivos quanto os importados, em termos de qualidade e preço. Questões como os altos custos de produção, a baixa produtividade, dificuldades de assistência técnica, dificuldade de acesso a crédito, falta de investimentos na atividade, gestão ineficiente de fazendas e laticínios, dificuldades logísticas, pouca valorização do leite de qualidade, pouco incentivo ao consumo de lácteos e a ausência de políticas públicas voltadas para o setor precisam ser discutidas. Barrar as importações de lácteos como estratégia pontual não resolve essas questões, além de ter sérios implicativos políticos e diplomáticos. O setor precisa de maior planejamento para que ações, tanto na esfera pública quanto na privada, possam convergir para o fortalecimento da relação entre os elos da cadeia.  Somente assim é que resolveremos “a crise do leite” e poderemos passar da condição de importadores para de exportadores. 


Fonte cepea@usp.br:Sergio De Zen (Professor da Esalq/USP e pesquisador do Cepea)  e Natália Grigol (Pesquisadora da área de leite do Cepea)
Data de publicação: 25/10/2017




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC