Aurora amplia em 10% o abate de suínos

Publicado em 23 de outubro de 2017

Comentário(s)

A Cooperativa Central Aurora Alimentos – terceiro maior grupo brasileiro de proteína animal – anunciou que ampliará em 10% o abate industrial diário de suínos até o fim deste ano. O abate crescerá dos atuais 18.000 para 19.825 cabeças/dia informou o presidente Mário Lanznaster.

De acordo com o gerente de operações da Aurora, Celso Cappellaro, o aumento da produção permitirá otimizar as plantas com pequenos investimentos para atender as demandas dos mercados interno e externo.

Essa ampliação prioriza matéria-prima para industrializados de produção em 75% para o mercado interno e 25% para o mercado externo.

As plantas instaladas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul iniciaram em setembro e chegam a sua plenitude durante o mês de outubro. São Gabriel do Oeste atingirá a meta em Janeiro de 2018.

A nova configuração de abate das unidades passa a ser esta: Chapecó FACH 1 (dos atuais 4.630 para 5.230 cabeças/dia), Chapecó FACH 2 (dos atuais 2.000 para 2.600 cabeças/dia), São Miguel (mantém 1.945 cabeças/dia) e São Gabriel do Oeste (dos atuais 3.000 para 3.200 cabeças/dia).

A unidade de Joaçaba passará de 3.000 para 3.200 cabeças/dia e Sarandi dos atuais 1.770 para 2.000 cabeças/dia. Erechim mantém as atuais 1.650 cabeças/dia.

Os planos de expansão são arrojados. O planejamento para o aumento da produção estabelece que, até 2025, a Aurora atingirá um abate de 25.000 suínos/dia, antecipa o presidente.

Em 2016, as sete plantas industriais de suínos da Cooperativa Central Aurora Alimentos totalizaram o abate de 4 milhões 546 mil cabeças, incremento de 1,6% sobre o ano anterior. Neste ano de 2017 o abate fechará em 4 milhões 718,2 mil suínos, com incremento de 3,77% (aumento de 171.390 animais). No ano passado, a produção in natura de carnes suínas cresceu 2,9% para 383,9 mil toneladas; a industrialização permaneceu estável (+0,6%) em 307,4 mil toneladas.

A produção integrada do sistema Aurora e suas cooperativas filiadas envolve, na cadeia de suínos, 3.444 produtores cooperados, 199 mil matrizes e um plantel permanente de 1 milhão e 800 mil animais a campo.

O presidente Lanznaster mostra que o cenário, este ano, está bem melhor que em 2016, quando a alta do dólar e a escassez de milho no mercado interno impactaram violentamente nos custos de produção. “Mesmo assim, a suinocultura brasileira teve um bom desempenho nas exportações, ampliando nossa presença, especialmente na Ásia. A Rússia retomou com força o nível das importações e as vendas para Hong Kong também tiveram um aumento considerável. Com a habilitação de novas plantas, a China se consolidou entre os cinco maiores compradores de carne suína do Brasil.”

O otimismo do dirigente é confirmado pelos números. Em 2017, as exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos) acumulam divisas 17,6% superiores na comparação com os nove primeiros meses de 2016.

MB Comunicação




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC