Agroindústria de SC e o futuro do abastecimento de milho

Publicado em 30 de outubro de 2017

Comentário(s)

Na FIESC, secretário do Ministério da Agricultura disse que insumo para o ano que vem está garantido, mas alertou para a alta das exportações e para mudanças na logística que põem o Sul em alerta.

 Apesar de o secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), Neri Geller, informar que o abastecimento do milho está garantido para o próximo ano, a agroindústria de Santa Catarina está preocupada com a disponibilidade do grão para os próximos anos. Em reunião da Câmara de Desenvolvimento da Agroindústria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), realizada dia 26 de outubro, em Florianópolis. Geller chamou a atenção para três pontos: o aumento das exportações de milho, déficit de armazenamento e mudança na logística que tem deslocado o escoamento dos grãos por meio dos portos do Norte e Nordeste, situação que deixa a agroindústria do Sul do País mais distante do insumo, além de elevar o preço da saca do grão. “Estamos com uma passagem desse ano para o ano que vem razoável de estoque. Recolocamos o estoque público de 400 mil toneladas para 1,4 milhão de toneladas, o que dá um pouco de segurança, mas não vai resolver o problema”, disse.

O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, destacou a importância do setor para a economia catarinense e do Brasil. “Temos plena consciência da importância da agroindústria. Na FIESC temos feito um grande esforço no sentido de apoiar o setor não como uma deferência, mas como obrigação e responsabilidade no sentido de prestigiar o segmento que, nos últimos anos, tem mantido o equilíbrio da economia de Santa Catarina graças ao desempenho da agroindústria. Se não tivéssemos a agroindústria forte que temos, eficiente e atualizada tecnicamente, certamente, Santa Catarina teria sofrido muito mais os efeitos dessa crise, da qual, felizmente, acreditamos que estamos saindo”, declarou, lembrando que o Estado tem crescido em produção, vendas, exportações e, principalmente, no emprego.

“Se não nos posicionarmos, vamos ficar sem milho. Há insegurança nessa questão”, afirmou o presidente da Câmara, Mário Lanznaster, que conduziu o encontro.

O secretário Geller informou que a produção nacional cresceu 28% neste ano, mas para 2018 talvez esse resultado não se repita em função do clima. “No centro-oeste e no sul do País o clima não está como foi no ano passado. Principalmente no centro-oeste, estamos 20 dias atrasados, o que compromete a janela de plantio da segunda safra, que é a principal do ponto de vista da produção de milho”, explicou.

Geller disse ainda que o momento atual do abastecimento do milho, especialmente para a agroindústria, é complexo. “Precisamos ter uma política bem definida porque o Brasil se consolidou nos últimos quatro anos como grande exportador de milho. Nosso produto está sendo muito aceito pelo mercado internacional. Devemos exportar esse ano de 30 a 35 milhões de toneladas, o que num primeiro momento parece ter muito milho no estoque, mas podemos num futuro próximo ficar, de novo, com deficiência. O governo está preocupado em não repetir o que ocorreu no ano passado”, ressaltou. Ele recomendou fortemente trabalhar na questão da armazenagem e disse que o governo financia com prazo de 15 anos e concede outros incentivos para tentar minimizar essa deficiência.

O secretário também chamou a atenção para as mudanças nos eixos de escoamento da produção. “Temos hoje a BR-163 que vai ter capacidade para transportar para o Norte cerca de 40% da produção nacional. Temos eixos de ferrovias que estão em fase de execução que vão mudar completamente o sistema de exportação do Brasil. Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e uma parte de Goiás vão começar a escoar pelo Norte”, alertou.

Durante o encontro também foram debatidos os temas: defesa sanitária animal e vegetal e a situação atual e as perspectivas do mercado nacional e externo de proteína animal.

Assessoria de Imprensa - FIESC




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC