Milho precisa de vazio sanitário para deter as cigarrinhas

Publicado em 28 de agosto de 2017

Comentário(s)

No 50º Encontro de Fitopatologia, em Uberlândia (MG), Fernando César Juliatti, professor em fitopatologia e coordenador do evento, esclareceu sobre o enfezamento do milho, doença que é provocada pela cigarrinha.

Por conta deste problema, ele defende que a cultura também tenha um vazio sanitário, concentrando a semeadura em apenas uma época. Como a soja é uma cultura típica do verão, o milho seria plantado apenas na segunda safra, de forma a reduzir a população da praga.

O controle se aplicaria a todo o país e ele sustenta que a discussão deve ser provocada até que se consiga materiais de alto nível de resistência ao complexo. O controle químico sozinho, como visualiza Juliatti, não é suficiente para mitigar a doença.

O inseto se reproduz com rapidez, de forma exponencial. Um vazio poderia barrar a migração e o fluxo de insetos em uma determinada região, diminuindo a população. Dentro da propriedade, o manejo deve ser mantido.

Juliatti conta que, no estado do Paraná, há áreas com, praticamente, 100% de incidência. Há epidemias também na Bahia e em Goiás, mas que ainda não foram devidamente quantificadas.

Além do vazio, ele destaca que o plantio de materiais mais resistentes e a concentração de semeadura em uma janela comum a todos em cada região também seriam fatores efetivos para o combate à cigarrinha.

O professor destaca ainda a ferrugem da soja, que ocorreu com maior incidência em lavouras plantadas ao final do ciclo, apresentando queda da resistência das carboxamidas e o mofo branco, que ainda não apresenta resistência, mas que sua aparição está suscetível a todas as plantas.

Fonte: Notícias Agrícolas




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC