Mulheres são imprescindíveis para o agronegócio, diz Roberto Rodrigues

Publicado em 20 de julho de 2017

Comentário(s)

Do campo às empresas rurais, “as mulheres são imprescindíveis em todas as atividades ligadas à agropecuária e ao agronegócio, tanto no Brasil como no mundo todo”. A afirmação é do ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, embaixador especial para o Cooperativismo Mundial da Organização das Nações Unidos para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

Sua declaração reforça o discurso de José Graziano, diretor-geral da organização internacional, de que o papel da mulher é fundamental no combate à fome e à pobreza no planeta. O protagonismo feminino foi destaque de um encontro sobre igualdade de gênero, paralelo à 40ª sessão da Conferência da FAO, no último dia oito de julho, em Roma, Itália.

O ex-ministro Roberto Rodrigues afirma que as mulheres vêm conquistando novos espaços, seja nas universidades, na área de pesquisas ou como líderes de cooperativas. No entanto, em sua opinião, é na agricultura familiar que elas têm mais força.

“Sem dúvida, é na agricultura familiar que o papel das mulheres é mais apreciado, porque atuam em todos os setores da propriedade rural, desde o preparo da terra até a comercialização da produção, passando pela fabricação de alimentos, que agregam valor ao produto primário”, comenta Rodrigues, que também é membro da Academia Nacional de Agricultura da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA).

Atualmente, o número de mulheres envolvidas no agronegócio deve ser ainda maior que o apontado pelo último Censo Agropecuário (2006), feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa, naquele ano, mostrava que mais de 14 milhões de mulheres trabalham nas lavouras do Brasil, em comunidades quilombolas e indígenas e nas reservas extrativistas.

Isso reforça o protagonismo delas, especialmente na agricultura familiar, até porque em torno de 45% dos produtos agrícolas são plantados e colhidos por pessoas do sexo feminino, ainda segundo o último Censo. Em 2006, as mulheres rurais também eram responsáveis pela produção destinada à subsistência de suas famílias, contribuindo com 42,4% da renda domiciliar.

Considerando sua experiência como coordenador do Centro de Agronegócio da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EESP), Rodrigues ressalta que, “hoje em dia, quase metade dos estudantes de Ciências Agrárias são mulheres e as formandas universitárias vêm recebendo grande parte dos prêmios oferecidos pelo setor privado, aos melhores alunos de ensino superior em áreas que envolvem o agro”.

“Muitas delas vão atuar ou já atuam como gerentes de propriedades rurais, com um papel destacado na parte de gestão. Também são inúmeras as cooperativas agropecuárias com comitês femininos, o que vem permitindo, crescentemente, a eleição dessas líderes para conselhos de administração ou fiscal nas empresas, quando não em cargos de comando mesmo”, informa o embaixador da FAO.

Fonte: Sociedade Nacional da Agricultura

 




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC